Turnê da Orquestra Mundial comemora Guerra e Paz



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Para jogar pela mudança, é Marley; para a Orquestra Mundial pela Paz, é Mahler.

De qualquer forma, a mensagem é a mesma: paz através da música. Esta semana, a Orquestra Mundial, formada por 95 músicos de 35 países, se apresentará tanto para comemorar a Segunda Guerra Mundial quanto para comemorar os 200 anos de paz.

No dia 1º de setembro, a Orquestra Mundial se apresentou em Cracóvia, Polônia, em um concerto que marcou o 70º aniversário do início da Segunda Guerra Mundial. O programa incluía a “Sinfonia nº 5 in C # Minor ”, bem como a estreia mundial de uma peça encomendada“ Prelude to Peace ”, do compositor polaco Krzysztof Penderecki.

A orquestra seguirá este evento sombrio com uma celebração em Estocolmo, Suécia, em 2 de setembro, no Festival do Mar Báltico. O tema do festival este ano é apropriadamente chamado de "paz e reconciliação", escolhido para o 200º aniversário de um tratado de paz entre a Suécia e a Finlândia.

A Orquestra Mundial pela Paz foi fundada pelo influente maestro Georg Solti, um judeu-húngaro que foi forçado a abandonar sua terra natal no início da Segunda Guerra Mundial. Ele organizou a orquestra pela primeira vez a pedido das Nações Unidas para comemorar seu 50º aniversário em 1995.

A ideia vinha fermentando na mente de Solti desde um concerto no Palácio de Buckingham três anos antes, quando 13 dos músicos mais prolíficos do mundo se reuniram e se apresentaram para comemorar seu 80º aniversário. Solti disse mais tarde: “Não pude escapar de uma ideia muito essencial. Não é incrível que nós, músicos, possamos produzir uma Europa unida ou mais ... até mesmo um mundo unido. Por que não podem os políticos? ”

Infelizmente, Solti faleceu em 1997, e Valery Gergiev, o Maestro Principal da Orquestra Sinfônica de Londres, liderou o grupo desde então, dando concertos em cidades como Moscou, Berlim, Pequim, Jerusalém e Budapeste.

A Orquestra Mundial é uma organização de elite que só admite músicos por convite. Esses cidadãos, representando dezenas de culturas e línguas, sentam-se lado a lado, muitas vezes incapazes de se comunicar com palavras, mas ainda em perfeita harmonia. Como disse Solti, seria bom se um dia os políticos pudessem fazer o mesmo.


Assista o vídeo: Noite de Paz - Orquestra Redenção - Ad Belém - Carapicuíba.


Artigo Anterior

Primeira tentativa de subida de uma grande parede maciça em Bornéu

Próximo Artigo

Finalmente, uma bolsa para podcasters de viagens!